Apelido (Nick)
Senha
+ Esqueci a Senha
+ Criar meu Cadastro


Saúde e Segurança do Trabalho
Responsável e Serviços 3RBrasil
Riscos Ambientais e Acidente do Trabalho
DORT & Fisioterapia
EPI/EPC - Cálculos
Ruído Ocupacional (PCA)
PPRA/PCMSO
INSS e LTCAT
CIPA / SESMT
Vibração Ocupacional
Gestão em SMS (SA 8000 e OSHA 18001)
Aposentadoria Especial
Cabeça Artificial
Terminologias e Normativas
Cursos e Modelos
Eletricidade NR10
Call Centers / Teleatendimento
Ferramentas / Estudo de Caso
NoiseAtWork e MapAtWork
App NoiseAdvisor e VibAdvisor
Estratégias, modelos e procedimentos para medição e avaliação de ruído ocupacional



Medição e avaliação de ruído ocupacional


 


As avaliações realizadas neste documento seguem procedimentos internacionais e nacionais compatibilizados para atender as questões do agente ruído. Pode-se verificar que todo o processo envolve áudio-dosimetria de nível de pressão sonora acompanhadas pelo mapeamento de freqüência em 1/1 oitavas como premissa para reconhecimento e caracterização de fontes, auditoria dos resultados das áudio-dosimetrias e cálculo pelo método longo da NIOSH 01 da eficiência do EPI empregado que leva em consideração as características do ruído real do local e os dados de atenuação e desvio padrão fornecidos no CA dos EPI – Equipamento de Proteção Individual, possibilitando uma confiabilidade de 98%. A Legislação Brasileira permite o uso do Método Curto da NIOSH também chamado de método 02 da NIOSH que é uma simplificação do método longo e, portanto, com uma baixa confiabilidade por usar no cálculo do NRRsf dados a partir de um ruído rosa fictício e os mesmos dados de atenuação e desvio padrão por freqüência do método 01, mas com um porém: desconta-se apenas um desvio padrão da atenuação. Este porém acarreta uma confiabilidade de apenas 84% informado em algumas embalagens de EPI, o que vem causando um grande passivo ocupacional indiscutível, pois nos casos de ambientes com nível de pressão sonora elevados 16% da população que usa o EPI pode estar desprotegida, pois não há comprovação técnica da neutralização do agente. Encontramos especialistas e consultores tentando justificar o injustificável, deixando as empresas que trabalham numa situação difícil desconhecida dos diretores, gestores, acionistas, sindicatos e atualmente desconhecido por alguns fiscais, pois os documentos técnicos formais apresentados para justificar a neutralização do agente elaborado pelo método curto, isto é, usando apenas o NRRsf, permite também justificar a existência de perdas auditivas da população supostamente protegida. Existem profissionais com total desconhecimento sobre o assunto que orientam a não aplicação do método longo que já foi exigido na Instrução Normativa 78 do INSS por afirmarem ter caído em desuso, ser um exagero ou coisa parecida. Hora se o Legislador faz referência a um método normalizado que possui um procedimento de cálculo e que este procedimento é de baixa confiabilidade por ser simplificado, e, que existe na mesma norma outro procedimento de cálculo com maior confiabilidade, e que basta estudar e conhecer melhor o que se está fazendo e a norma e entender... Então como pode haver alguma constatação ao contrário? É falta de conhecimento ou falta de equipamento adequado de medição... O método simples ou curto hoje referenciado nas Instruções Normativas atuais do INSS é justificável, pois podem ser perfeitamente aplicados em situações onde o Limite de Tolerância não é atingido, neutralizando com folga entre o limite de ação e de tolerância. Contudo para valores elevados de nível de pressão sonora utilizar hoje em dia o método curto é assinar embaixo o passivo das empresas no caso de existência de perda auditiva na população supostamente sobre controle, mesmo que a perda indicativa de exposição a nível de pressão sonora elevado (PAIRO) não seja devido ao processo Laboral mas em conjunto com os hábitos e o lazer no colaborador, como o uso constante de mp3 ou similares com fone de ouvido.
“Bom – Já está na hora de utilizar as estratégias certas... Alias a maioria das empresas internacionais de mineração, petróleo e gás exigem no escopo este procedimento, como apresentado e disponibilizado no Isegnet”. “Outro ponto que merece destaque é a vibração transmitida ao corpo humano e mãos e braços, estimam-se em mais de R$ 182 milhões os gastos com ações judiciais nas grandes empresas de mineração internacionais...” Veja em destaque o melhor sistema para controle de ruído ocupacional e de montagem de estratégias de medição e prevenção: NoiseAtWork. Destaque: Vídeos de Ruído Ocupacional e Poluição Sonora.



NoiseAtWork e MapAtWork - Ferramentas para mapeamento, visualização e análise dos demonstrativos ambientais (MAPA DE RUÍDO OCUPACIONAL E MODELAGEM ACÚSTICA OCUPACIONAL - MODAO):


Curso Acústica Ocupacional o Estado da Técnica





Outros artigos desta seção:
. Estado da Técnica na questão de Medição e Análise do Ruído Ocupacional - Equipamento (SV 104) e Software (NAW)
. Método 3RNAW - PCA Leite&Regazzi (mapa de ruído ambiental e ocupacional)
. Ruído (PCA)



Gostou do novo Portal ISegNet?
Sim, gostei. Está mais interativo!
Não gostei
Votar   |   Parcial



   Digite sua conta de email e receba
   nossos boletins informativos.
  
  

O Site
    Home
    Cadastro
    Shop
    Fórum
    Mapa do Site
    Adicionar Favoritos
Conteúdo Principal
    Segurança do Trabalho
    Metrologia
    Qualidade Industrial
    Meio Ambiente
    Saúde e Qualidade de Vida
© ISegNet
Todos os Direitos Reservados

Desenvolvimento Mundo Digital

Pág. carregada em 0.0 segundo(s)