Apelido (Nick)
Senha
+ Esqueci a Senha
+ Criar meu Cadastro


Saúde e Segurança do Trabalho
Responsável e Serviços 3RBrasil
Riscos Ambientais e Acidente do Trabalho
DORT & Fisioterapia
EPI/EPC - Cálculos
Ruído Ocupacional (PCA)
PPRA/PCMSO
INSS e LTCAT
CIPA / SESMT
Vibração Ocupacional
Gestão em SMS (SA 8000 e OSHA 18001)
Aposentadoria Especial
Cabeça Artificial
Terminologias e Normativas
Cursos e Modelos
Eletricidade NR10
Call Centers / Teleatendimento
Ferramentas / Estudo de Caso
NoiseAtWork e MapAtWork
iNOISE Modelagem GSI
App NoiseAdvisor e VibAdvisor
Técnicas de medição, métodos de monitoramento e análise de nível de pressão sonora (agente ruído) em Call Center / Teleatendimento em atendimento a ISO 11904.

Os Métodos de medição para avaliação da exposição em teleatendimento devem seguir a ISO 11904: parte 1, relacionado à técnica do microfone mire e parte 2: com a utilização de manequim com orelha de silicone e ouvido artificial, mais utilizado na Europa e adequado por não individualizar os dados de medição. O método da ISO 11904-2 (manequim com ouvido artificial conforme IEC 60318-4 e ITU-P58) permite a correção fora do ouvido para a comparação com os limites normativos regulamentados para a exposição dos trabalhadores. Isto é, a medição estimada fora da orelha corresponde ao valor corrigido da medição na altura do tímpano que corresponde ao ouvido artificial do manequim. No caso do microfone "mire" esta correção depende de características individuais do canal auditivo e da orelha do operador, dificultando a análise devido a individualização do laudo e, consequentemente, a comparação adequada com os limites normativos de exposição. O que é normalmente informado no próprio manual dos equipamentos que se utilizam de microfone MIRE ("depende de características individuais").


Contudo, os dois métodos são permitidos pela ISO 11904. Alertamos que a ISO 11904 refere-se a avaliação da exposição de fontes de nível de pressão sonora próximas a orelha e não contempla o ouvido artificial de bancada (o ouvido artificial simples IEC 60318-1), concebido para avaliação e testes de head-set(s). O fato se deve que os resultados das avaliações da exposição de atividades com o uso de fones levam em consideração a atividade, a geometria da cabeça cujo manequim é concebido para convergir com uma média da população, os níveis de pressão sonora do ambiente na altura do operador, o esforço do arco do head-set(s), a posição e proximidade dos operadores, os níveis de pressão sonora da fala, os processos de pausas e trocas de ouvido, além das correções para estimativa dos valores medidos dentro do ouvido para fora do ouvido, possibilitando a comparação adequada com as normas Brasileiras. Ver vídeo (clique aqui).


Na avaliação de áudio-dosimetria de fone em teleatendimento o método de medição deve ser mutualmente reconhecido e atender as Leis e Normativas do país em questão. A normalização pelo NEN considerando a taxa de troca/duplicidade de q=5 e 360 horas semanais deve ser considerada na avaliação, isto é, a dose de exposição 6 dias por semana durante 6 horas diárias, além do credenciamento da empresa executora no CREA no número 36. (ref. M.Sc Rogério Dias Regazzi)


Então, a utilização do ouvido artificial de bancada é um erro de método e de procedimento de medição, portanto, não adequado para a avaliação da exposição de colaboradores que laboram com head-set(s): atendendo as Leis e Normas Brasileiras e a ISO 11904. Sendo aplicado apenas para testes e homologações de fones porque não foram projetados para medições de ruído com fones de ouvido durante a comunicação além de haver poucos dados comparativos com a técnica com o manequim, que é considerada o "padrão ouro" para medição in-situ de índices e medições acústicas ambientais e ocupacionais da jornada de trabalho. Este mesmo erro de avaliação é cometido por algumas empresas que se utilizam de testes de bancadas em alguns fones para afirmar que os mesmos não superam os limites de ação ou tolerância, uma imperícia e uma negligência para as questões de saúde e segurança dos trabalhadores. Veja mais no site de audio-dosimetria de fone/head-set.


As medições com ouvido artificial de bancada não atende a ISO 11904 nem os procedimentos e normalizações da NHO-01 e NR-15 anexo 1 e 2, ou a NR-17 anexo II que faz referências aos níveis permissíveis de conforto para o ambiente em dB(A) e NC, de acordo com a NBR 10152. Nos links abaixo são apresentados uma série de artigos internacionais referentes aos níveis de pressão sonora emitidos pelos head-set(s) onde o controle e prevenção está nas medições que corroboraram com os processos de escolha, tecnologia, qualidade e manutenção de head-set(s), além da proximidade entre operadores, a acústica da sala e os processos de trabalho, tudo contemplado na avaliação de dosimetria de fone com cabeça artificial padronizada: manequim com ouvido artificial medindo a jornada de trabalho. Link(s) (questõe do ruído na Europa); (Headphone Noise) ; (Levels of head-set(s))


REFERENCIA ITALIA ISO 11904-2 (CABEÇA ARTIFICIAL)



Outros artigos desta seção:
. Risco nas atividades com fone e de teleatendimento. A ausência de comprovantes ambientais e treinamentos compromete empresa e prepostos.
. Referencias Internacionais e Processos de Medição com Estudo de Caso Real



Gostou do novo Portal ISegNet?
Sim, gostei. Está mais interativo!
Não gostei
Votar   |   Parcial



   Digite sua conta de email e receba
   nossos boletins informativos.
  
  

O Site
    Home
    Cadastro
    Shop
    Fórum
    Mapa do Site
    Adicionar Favoritos
Conteúdo Principal
    Segurança do Trabalho
    Metrologia
    Qualidade Industrial
    Meio Ambiente
    Saúde e Qualidade de Vida
© ISegNet
Todos os Direitos Reservados

Desenvolvimento Mundo Digital

Pág. carregada em 0.0 segundo(s)